25 outubro 2010

O sucesso destroçado na serra da Cantareira, acidente de avião levam os Mamonas

A mata fechada no Parque Estadual da Serra da Cantareira, zona norte de São Paulo, dificultou a visão da tragédia.Na pequena clareira formada com a queda do avião Lear Jet 25, prefixo PT-LSD da empresa Madri Táxi Aéreo, pedaços de fuselagem se confundiam com os figurinos de show, objetos e corpos de 9 pessoas, entre as quais os cinco integrantes do meteórico e irreverente grupo Mamonas Assassinas.No sábado à noite, dia 2 de março, o vocalista Alecssander Alves, o Dinho (24), o guitarrista Alberto Hinoto, o Bento (25), o tecladista Júlio Rasec (27), e os irmãos Sérgio(26) e Samuel(22) fizeram um show em Brasília e voltavam para São Paulo, porque no dia seguinte iriam viajar para Portugal.Por Motivos ainda ignorados, o piloto Jorge Luiz Germano Martins(30) e o co-piloto Alberto Takeda(25) não conseguiram pousar, como era previsto, no aeroporto Internacional de Guarulhos."O Dinho me ligou do avião e pediu que eu fosse buscá-lo no aeroporto.Ele estava cansado, mas como sempre fazia as suas brincadeiras",relembra a namorada Váleria, que antes da meia-noite soube da queda do avião,que se chocou em um morro, onde funciona a Pedreira Cachoeira.Equipes dos Bombeiros e policiais do comando de operações especiais chegaram ao local pela manhã, quando começou o resgate dos corpos.A dificuldade de acesso ao local, um vão de cem metros de profundidade que só podia ser alcançado por uma trilha de três quilômetros e escaladas com cordas, obrigou que as vítimas , entre elas o segurança do grupo, Sérgio Saturnino Porto(30) e o assistente de palco, Isaac Souto(23)primo de Dinho , fossem resgatadas de helicóptero.Na pedreira, fãs,familiares e policiais aguardavam noticias.Ao se chocar com o morro, o avião explodiu e esfacelou-se em muitos pedaços.A esperança de encontrar sobreviventes resistiu até o momento da localização do último corpo, era o fim do grupo Mamonas Assassinas , o cometa da alegria.

Os cinco rapazes tinham motivos para estar felizes.Garotos de classe média de Guarulhos, no último ano experimentaram um sucesso inimaginável no tempo em que faziam covers dos Titãs e do Legião Urbana e tinham um conjunto chamado Utopia.Nessa época, chegaram até gravar um disco batizado de O Outro Lado , que segundo Dinho não vendeu mais de 50 cópias.A fama meteórica veio acompanhada da irreverência e de uma linguagem simples e alegre, que fascinou crianças e adolescentes.Os Mamonas eram um fenômeno politicamente incorreto.Eles debochavam de nordestinos e portugueses e tinham as suas musicas vendidas em fitas piratas por 4 reais nos camelos das grandes cidades."Foi uma banda que surgiu sem qualquer armação, e sim com brilho e dignidade", dizia o produtor Cleber Luz."Eles conquistaram o Brasil.Houve um mês que eles venderam 50.000 cópias por dia",afirma o empresário Ricky Bonadio, que os apresentou ao gerente da gravadora EMI ODEON.Na ocasião, ele perguntou quantas músicas a banda tinha prontas e Dinho mentiu dizendo que eram vinte.Só que tinham só cinco e em dez dias eles compuseram as quinze que faltavam.

A incrível disposição para o trabalho era a outra característica dos Mamonas.Nos últimos meses, eles chegaram a fazer três shows por dia, cortando o país de ponta a ponta em aviões.A viagem de volta de Brasília para São Paulo no Lear Jet seria apenas mais uma.No meio do vôo Dinho sacou o telefone celular e ligou para sua namorada Valéria Zoppello(22) pedindo que fosse busca-lo no aeroporto de Cumbica.Valéria foi correndo e acabou sendo uma das primeiras pessoas a saber do acidente.Às 23h45 da noite de sábado, a torre de comando recebeu a informação que uma aeronave havia caído na Serra da Cantareira, próximo a cidade de Mairiporã.Foi uma terrivel angustia até o raiar do dia, quando a namorada se juntou com as equipes de resgate e seguiu até o lugar do acidente.Ficou lá até encontrar o tênis de Dinho."Ele sempre sonhou com o sucesso e estava cheio de planos para o segundo disco.Ele não está bem porque sabe que estamos sofrendo muito.Tento me controlar um pouco.Ele era muito alegre e merece que lembremos dele com muito carinho e como um anjo alegre e maroto.Tenho certeza do nosso amor",confessou Váleria."É difícil acreditar que todos os nossos sonhos se foram.Íamos viajar para Aspen e tinhamos planos de nos casar no final do ano.O Dinho adorava crianças e queria ter logo um filho para que ele conhecesse o seu sucesso".Daniela Albuquerque(20), namorada de Samuel a cinco meses, abraçada a amiga Váleria e muito emocionada, pedia que a amiga ficasse junto com ela."Precisamos ficar todas juntas neste momento, estamos desoladas".

O choque para a família dos músicos também foi tremendo.Na tarde de domingo, enquanto os garotos eram examinados no Instituto Médico Legal de São Paulo, em Guarulhos na casa de Dinho cerca de 80 pessoas estavam reunidas para fazer orações com o pastor Enus Vieira Santana.A mãe de Dinho, Célia(48) é evangélica e o pai, Hidelbrando(52),a acompanhava inconsolável.No natal, eles haviam ganhado um filho famoso um sobrado amplo e confórtavel na Vila Picasso, em Guarulhos.Na casa nova também moravam o irmão Marcos(23) e a irmã Grace(17) grávida de cinco meses.O médico Mário Pestanha que atendeu a família e medicou todos com calmantes."Dinho sempre quiz aparecer.Estar no palco era a melhor coisa do mundo para ele, a gente adorava seu jeito engraçado", dizia Marleigh Leite Queiroz(32), prima do vocalista.

O velório dos músicos estava previsto para acontecer na Câmara Municipal de Guarulhos, mas foi impossível, antes mesmo da chegada dos corpos, mais de 15.000 pessoas faziam fila para entrar provocando grande tumúlto. A solução mais segura foi tranferir a cerimonia para o ginásio poliesportivo Paschoal Thomeo-aonde os Mamonas haviam feito o seu primeiro show.No centro da quadra, os caixões, cobertos com a bandeira do Brasil e a do municipio de Guarulhos foram velados por uma multidão que achava os Mamonas "legalzão" e sua "music is very good".

O sofrimento do Brasil e a da cidade de Guarulhos que parou no dia 4 de março para se despedir de seus filhos ilustres.No ginásio Paschoal Thomeo, cerca de 65 mil fãs de todas as idades passaram diante dos caixões.Alguns conseguiram furar o cerco de segurança e deixaram bilhetinhos e até jóias.Até São Pedro chorou no enterro dos Mamonas, uma chuva fina caiu sobre o Cemitério Jardim das Primaveras, em Guarulhos , entre 1h30 e 2h da tarde, nesses exatos 30 minutos foram sepultados os cinco integrantes do grupo e o segurança da banda.Segundo crendice popular, chuva durante o enterro significa que os falecidos são pessoas boas.Os seis foram enterrados no mesmo lugar, os jazigos 21 e 23 da rua 0 do cemitério.Os três caminhões dos Bombeiros com os rapazes chegaram à 1h05, com meia hora de atraso.O primeiro garoto a descer foi o do segurança Sérgio Saturnino Porto, na cova nº21.Depois foram sepultados o Bento Hinoto , e os irmãos Samuel e Sérgio Reoli, a família do guitarrista viveu os piores instantes de suas vidas. A mãe de Bento dona Toshiko, assistiu a tudo encostada numa arvóre , do outro lado o irmão Mauricio estava desorientado ao lado abraçado com a Ana Paula, namorada de Bento, o irmão fez questão que o ursinho de pelucia que Bento tanto gostava fosse preso ao caixão e alem do ursinho Bento tambem foi enterrado com a sua guitarra preta.No jazigo 23 foram enterrados o tecladista Júlio Rasec e o vocalista Dinho, que foi o mais triste pois no dia seguinte ele estaria completando 25 anos.

Após o sepultamento, os técnicos que acompanhavam a banda em todos os shows resolveram prestar a última homenagem , de mãos dadas eles entoaram o grito de guerra com que iniciavam todos os shows.Alguns tecnicos sugeriram que cantassem "Pelados em Santos" mas todos decidiram que a canção causaria muita comoção.Depois dos abraços, todos foram a Jundiaí acompanhar o enterro de mais um amigo, Isaac Souto ajudante de palco que era primo de Dinho.

A noticia do acidente rodou pelo mundo inteiro, todas as Tvs do mundo inteiro davam a noticia inclusive a rede mais famosa do mundo a CNN, na qual destacava como o grupo era amado não só no Brasil com em varios lugares do mundo, as revistas Bilboard e People tambem destacavam o grupo!

Era o "fim" do grupo musical mais querido e lembrado do país, eles deixaram muitas saudades mas mesmo assim ainda possuem os fãs que os sempre acompanhavam os shows, a febre dos Mamonas ainda não passou e eles ainda estarão sempre em nossos corações, valeu Cometa da Alegria.


Fonte: http://www.mamonasnanet.hpg.com.br/acidente.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário